sábado, 24 de junho de 2017

Sofia em Viagem | Menorca

As nossa férias em Menorca já estavam programadas há algum tempo. Desde que a data da mudança foi decidida que eu desconfiei (e bem) de que ia ficar com os nervos em frangalhos e com a cabeça em água e ia precisar duma pausa, que isto de mudar de país pela segunda vez em 3 anos tem muito que se lhe diga. Acertei em cheio, porque foi exactamente isso que aconteceu. 

O projecto inicial era Santorini. No entanto, como demorámos algum tempo a comprar os voos, quando chegou o momento de os comprar, o preço tinha aumentado exponencialmente e ultrapassado todos os limites do que eu estaria disposta a pagar para lá ir. Portanto, passámos ao Plano B: Menorca. 

E o que é que eu tenho a dizer do nosso plano B? Que não podia ter sido mais perfeito. Menorca é só assim o paraíso. Sempre calor, água azul e a uma temperatura óptima (foi a primeira vez em muitos anos que consegui estar uma hora dentro de água sem ficar com os lábios roxos) e paisagens de cortar a respiração.

Quem segue o instagram do blog já deve estar cansado de ver fotos de lá mas, admitam, é ou não é lindo? 

Aconselho vivamente uma temporada em Menorca a toda a gente. É lindo e, pessoalmente, não achei nada caro. Os voos foram baratos e há alojamentos para todos os gostos e todas as carteiras, se bem que imagino que Julho e Agosto sejam bastantes mais caros, A nível de alimentação, achei os restaurantes bons e baratos (mas podem ser os anos a viver em França e Inglaterra a falar). Uma coisa que aconselho vivamente a quem queira lá ir é que aluguem um carro, vai dar imenso jeito para conseguirem visitar várias praias (há muitas por onde escolher, são todas lindas) e vão poder passear pela ilha (que é pequena) mais facilmente.

Vim de lá muito mais relaxada, com as ideias em ordem, com mais energia e com a certeza redobrada de que eu gosto é disto: passear. 




















quinta-feira, 22 de junho de 2017

Desiludida com o mundo


Olá, malta!


Estou de volta das minhas férias, que foram só assim maravilhosas. Para lá de maravilhosas, até. Só não foram perfeitas, porque foram curtas. (As fotos vão chegar, prometo.)

Era mesmo disto que eu estava a precisar: duma pausa, para respirar fundo e pôr as ideias no lugar. Agora, estou de volta e cheia de energia (médio, vá, o meu nível de energia está só médio).

No entanto, nem tudo é boa disposição. Durante todos os dias em que estivemos de férias, só recebemos más notícias: os incêndios em Portugal, que todos os anos são uma calamidade, mas este ano excederam-se; os desalojados da Torre Grenfell, em Londres; atentados terroristas; enfim, é só escolher, porque foi uma desgraça atrás da outra. E se, no meio de tanta desgraça, se encontram pessoas de bom coração e com vontade de ajudar, também não faltam por aí fora (sobretudo, pela Internet fora) pessoas más, que se protegem na relativa anonimidade do mundo virtual para dizerem as maiores atrocidades. 

Quando é que as pessoas se tornaram tão concentradas em si próprias e tão egoístas, para conseguirem ser tão indiferentes ao sofrimento das outras? Pior, para tirarem prazer desse mesmo sofrimento e fazer piadas de mau gosto com o assunto. 

A liberdade de expressão é uma coisa maravilhosa mas, como alguém (que não me lembro quem) disse: é a melhor maneira de se apanhar um idiota.

Vamos ser mais tolerantes e mais solidários, sim? É isso que está a faltar no mundo.

domingo, 18 de junho de 2017

Sunday Wishes #18

Já vos disse que adoro fazer compras para a casa? Já, com certeza. Mas, só para não restarem dúvidas, ficam aqui mais umas coisas giras que podem ir espreitar.


sábado, 17 de junho de 2017

Vou só ali de férias e já venho

Pois é, malta. Estou farta de mudanças e de papéis e da ordem e de tudo, portanto, se me dão licença, vou só ali passar umas mini-férias, vou curar a dor de cabeça, apanhar um bocadinho de sol e venho já.

Já sabem que para estarem sempre em cima do acontecimento, é aqui.

Até já!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Sobre a pressão social

Não me mudei para Inglaterra nem há um mês, que é como quem diz, não estou a viver com o meu namorado nem há um mês e já perdi a conta ao número de vezes que ouvi as seguintes perguntas:


  • "Então, quando é que casam?"
  • "Então, quando é que têm um filho?"
  • "Então, quando é que casam e têm um filho?"
Em primeiro lugar, gostava de dizer, mais uma vez, que isto são questões que só a nós dizem respeito e cada um fazia melhor em meter o nariz na sua própria vida. Não é o caso, mas imaginem que até estávamos a tentar ter um filho e não estávamos a conseguir? Conseguem imaginar a sensação que deve ser para alguém que está a passar por isso e a ter de ouvir constantemente "Então e os filhos? Olhem que não vão para novos!". Enfim. 

Em segundo lugar, lamento desiludir toda a gente, mas casamento e filhos não fazem parte dos meus planos de vida. Os filhos já fizeram quando, do alto da sabedoria dos meus 25 anos achava eu que queria muito ser mãe. Felizmente, na altura não estavam reunidas as condições para que isso acontecesse porque agora, do alto da sabedoria dos meus quase-29-anos, apercebo-me que a sabedoria dos 25 não era nenhuma. Não sei se algum dia vou querer ter filhos, acredito que seja maravilhoso, mas não ainda não tive esse "chamamento". Quanto ao casamento, minha gente, a sério que acham que eu vou gastar uma pipa de massa numa festa? Lá está, é outra coisa que também já fez parte dos meus planos. Mas, um belo dia comecei a ganhar dinheiro e a saber o quanto ele custa a ganhar e se há coisa em que não planeio gastá-lo, é numa festa. Acho muito bonito, adoro ver fotografias de casamentos, se são coisas que vão fazer alguém feliz, óptimo. Mas não é para mim. Peçam-me para gastar dinheiro nas minhas viagens de sonho e eu nem hesito. Num casamento, não vai acontecer. Assinar o papel parece-me mais que suficiente. Não quero com isto criticar quem o faz, longe disso, mas cada um sabe de si. E gostava muito que deixassem de me aborrecer com este tipo de pergunta. Às vezes, nem são perguntas, são simplesmente discursos acusatórios, como se fosse impossível eu ser feliz sem o casamento e os filhos. Posso dizer-vos que nesta fase da minha vida tenho mais vontade de arranjar um cão do que uma criança. E não tenho vontade nenhuma de arranjar um cão, portanto, está tudo dito.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Dicas de dentista: sobre a água com limão | Dentist tips: about the water with lemon

Muita gente tem aderido à moda de beber água com limão pela manhã. Os benefícios parecem ser mais que muitos e se ainda não aderiram, aposto que já ouviram, pelo menos, falar nisto. 

Drinking water with lemon in the morning is a real trend at the moment. There seem to be a lot of benefits in doing so and if you don't do it already, I bet you have at least heard about it.

Não estou aqui para discutir os benefícios para a saúde ou para a dieta, não sou especialista nessas matérias. No entanto, há uma matéria na qual sou especialista: dentes. 

I am not here to discuss the benefits that this habit may bring to your health or your diet because I am not an expert on those matters. However, there is a matter on which I am indeed an expert: teeth.

Está provado que o limão, depois de metabolizado, tem uma acção alcalinizante no nosso corpo, ou seja, vai aumentar o pH, tornando-o menos ácido. No entanto, no momento em que o bebemos, ele ainda não foi metabolizado e é extremamente ácido. De referir , também, que durante a noite, a nossa produção de saliva é bastante reduzida, o que deixa os nossos dentes mais expostos a possíveis agressões externas. E o que é que vai ser uma agressão externa? Água com limão. É das piores coisas que podem fazer pela saúde dos vossos dentes: o contacto do ácido com os dentes vai favorecer a desmineralização do esmalte o que, a médio/longo prazo, pode vir a ter consequências bastante graves. 

It has been shown that, once metabolized, lemon has an alkalinising action in our body. This means it will increase the pH, making it less acid. However, at the moment we ingest it, the lemon has not yet been metabolized and therefore is extremely acid. During the night, our saliva production lowers to a minimun and that leaves our teeth more exposed to external aggressions. And what will be an external aggression? Water with lemon. It is one of the worst things you can do for your teeth's health: the acid will favour the demineralization of the enamel which in the long term can have serious consequences.

Mas, relaxem, não vos vou pedir que deixem de beber água com limão. Simplesmente, usem uma palhinha! O uso da palhinha vai reduzir imenso o contacto da bebida com os vossos dentes, ajudando a evitar a erosão. Depois de beberem a água com limão, também podem fazer um bochecho com água, para ajudar a eliminar o resto do ácido que poderá ter ficado na vossa boca. Viram? É super simples e vai fazer toda a diferença. Pessoalmente, não me vão apanhar a fazer isto muitas vezes, que acho a bebida intragável. Mas, para quem gosta, não se esqueçam: palhinha, sempre.

But relax, I will not ask you to stop drinking your water with lemon. Just do it using a straw! The straw will minimize the contact of the drink with your teeth, helping to prevent the demineralization. After you drink it, you can also rinse your mouth with plain water to help eliminate any acid that may have been left on your teeth. See? It's super simple and it will make a difference.


-

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Product Review | Garnier Summer Body

Eu fui morena durante quase toda a minha vida. Enquanto era bebé, enquanto era criança, enquanto era adolescente, enfim, fui morena até ser adulta, que é como quem diz "até ter deixado de ter tempo para ir para praia o verão inteiro e, quiçá, até mais tarde ainda". Aquela minha cor morena e maravilhosa desapareceu com a minha juventude (que só desapareceu no papel, atenção, que ainda recentemente me deram 19 anos... pobres almas inocentes) e sou, no presente momento, uma pessoa cor de lula. Branca que até faz aflição. Continuo a bronzear facilmente, mas já não sou naturalmente bronzeada. Uma pena, se querem que vos diga. Mas, adiante.

Entretanto, vim para Inglaterra, um país cheio de sol que só ele e onde 99% da população feminina (e, tenho para mim, que grande parte da masculina também) usa auto-bronzeador. Sendo assim, iniciei as minhas pesquisas, a ver se aparecia aqui alguma coisa de interessante. E apareceu-me o Garnier Summer Body, cheio de elogios e, melhor ainda, super acessível (até porque o comprei a 50% do preço normal). 

A minha opinião? É que isto é só fantástico. Gosto da consistência, é absorvido relativamente rápido e, depois de uma semana a usá-lo, já tenho o ar saudável de quem foi passar uns dias ali ao Algarve. Além disso, cheira extremamente bem (e eu nem gosto de cremes com cheiro!). Não vou poder usá-lo no Inverno, com muita pena minha, porque não é suficientemente hidratante. Talvez se o intercalar com o Lipikar, mas penso nisso depois.

E por aí, alguém já experimentou? Têm opiniões sobre este ou outro creme bronzeador?